Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

O brilho de Carlos e Zelinda

Devido a compromissos anteriormente agendados, não pude me fazer presente no lançamento do documentário “A Estrela e o Vagalume: Carlos & Zelinda”, que narra a trajetória desses dois grandes ícones da cultura do Maranhão. O documentário, que conta com a trilha sonora composta especialmente por Zeca Baleiro, foi idealizado pelo poeta Celso Borges, que assinou o roteiro e a edição dessa obra, ao lado do cineasta Beto Matuck. Além desses nomes, temos Cláudio Vasconcelos e Maurício Vasconcelos, que assinam o projeto gráfico.

Ao longo de 52 minutos, por meio de conversas gravadas, ainda em 2006, com Zelinda e Carlos Lima (que nos deixou em 2011), filhos e amigos, é possível ter uma noção da rica trajetória pessoal e profissional que esse casal imprimiu à história do Maranhão. Afinal, falar de cultura em nosso estado referente ao período da segunda metade do século XX obrigatoriamente requer a menção ao nome desses dois, que elegeram a paixão pelas artes, gastronomia, lendas, teatro e folclore de nossa terra como tônica de suas vidas.

A simbiose entre ambos era perfeita. Ao assistir à reportagem sobre o lançamento do documentário, chamou-me a atenção a fala de Zelinda Lima, cuja convivência de várias décadas ao lado do marido solidificou um amor daqueles que no dizer de Adélia Prado “uma vez encontrado, é igual a fé, não teologa mais”. Zelinda confessou ao repórter sentir sempre a presença do marido, como se ainda vivo estivesse.

Tive o privilégio de conhecer de perto esse casal. Certa vez, quando morava em São Paulo, onde fazia pós-graduação, fui procurado na condição de médico por Carlos Lima para atender alguém de sua família. Estabelecemos uma excelente relação de amizade e entre nós havia consideração e respeito mútuos, amizade esta que se estendeu à filha do casal, Professora Deborah Baesse, do Departamento de Educação da Universidade Federal do Maranhão.

Não esqueço quando, há muitos anos, Carlos foi o primeiro imortal da Academia Maranhense de Letras (ele ocupava a cadeira de número 7) a externar que me queria ver lá como seu confrade. Ele também foi membro da Comissão Maranhense de Folclore e do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. Autodidata, publicou, sempre baseado em pesquisas aprofundadas e sérias, 18 livros de temáticas variadas, além de outros cinco que deixou já concluídos, incluindo um de memórias. Seriedade essa que convivia de forma perfeita com seu jeito simples, descontraído e bem-humorado. Carlos sempre tinha um “causo”, uma piada ou história pronta para contar. Foi também ator, cordelista e caricaturista: múltiplos em um só.

Quando de sua passagem, a Folha de São Paulo publicou seu perfil, destacando que ele soube conciliar sua trajetória de funcionário público com a de pesquisador e escritor apaixonado, habilidade que nem todos conseguem ter. Carlos Lima assim o fazia, pois isso não lhe era nenhum sacrifício. Pelos seus escritos, pode-se perceber que o prazer pelo ofício marcou toda a sua obra.

Já Zelinda Lima se dedicou a pesquisar e registrar as características da culinária, azulejos e rezas do Maranhão, tendo suas obras alcançado renome inclusive no continente europeu. No ano passado, por ocasião de mais uma edição da Feira do Livro, ela foi homenageada ao ter seu nome batizado o espaço criado no Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, com a exposição “Coisas de Zelinda”. Sobre Zelinda, destaco em especial as obras “Pecados da gula” e “Inventário do Patrimônio Azulejar”, esta última é fruto de uma rica pesquisa que levou três anos para ficar pronta.

“Como aferir, em cada ser, a parte que tem raiz numa insondável arte”, questiona outro Carlos, o Drummond, em poesia. Carlos e Zelinda Lima inscreveram sua paixão e a deixaram como legado em escritos, em falas, em obras. O documentário, apesar de apresentar um tempo exíguo, com certeza é um vislumbre para que esta e outras gerações possam conhecer um pouco mais da nossa rica história e das nossas tradições.

O legado do casal, definitivamente, contribui para uma compreensão mais profunda e verdadeira do Maranhão. Entender a nós mesmos é um caminho de descoberta, a viagem mais reveladora para estabelecermos uma relação de amor e respeito por quem nós somos. Por tudo isso, somos gratos e devedores a Carlos e Zelinda Lima, que construíram um sólido trabalho que os imortaliza no coração, na alma e memória de todos nós.

P.S. Fiquei feliz em saber que toda a renda obtida com a venda dos DVDs será destinada às obras de restauração da Capela Bom Jesus dos Navegantes, incluindo as pinturas antigas que lá estão localizadas, na igreja de Santo Antônio. O patrimônio e a cultura agradecem!

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 14/12/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento