Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Inesquecível Mohana

O escritor Mia Couto, em seu livro “Estórias abensonhadas”, incluiu um conto chamado “Nas águas do tempo”, no qual ele discorre acerca da vida de seu avô, descrevendo-o como um “homem em flagrante infância, sempre arrebatado pela novidade de viver”.

Lembrei-me dessa frase por ela ser perfeita para retratar a história de um dos grandes homens nascidos nesta terra. Por conta de compromissos profissionais fora do país, não pude atender ao convite e estar presente à deflagração de homenagens realizadas recentemente ao escritor, médico e padre João Mohana. Trata-se da iniciativa do grupo católico Caminho do Meio, que pretende concretizar uma série de eventos até a culminância do mês de junho de 2015, quando o inesquecível sacerdote, se vivo estivesse, completaria 90 anos.

Mesmo a distância, fiquei feliz com o sucesso desse primeiro evento que lotou o auditório do Conselho Regional de Medicina e que foi cenário de manifestações de apreço e carinho por João Mohana, a exemplo dos depoimentos do sobrinho José Antônio Mohana, da escritora Arlete Nogueira da Cruz, do radialista Robson Jr. e de Dom José Belisário. Soube que até o cantor Padre Zezinho enviou um e-mail a respeito da importância da vida e obra de Mohana, o qual foi lido pelo Pe. Djalma Lúcio. Abrilhantando ainda mais o evento – numa iniciativa dos músicos Joaquim Santos e Paulo Santos, da Escola de Música do Maranhão –, houve a execução de ladainhas compostas por Mohana, em flauta e violão.

O Padre João Mohana marcou um capítulo inesquecível de minha vida, pois, no dia 31 de dezembro de 1973, foi ele quem celebrou meu casamento. Já são mais de 40 anos, contudo me lembro até hoje de sua homilia e de sua prédica sobre o compromisso, a união e o esforço pelo bem comum. Assim como eu, Mohana também era médico, mas, atendendo ao chamado de São Lucas, preferiu curar almas feridas e corações desesperançados com o bálsamo da palavra eterna. A medicina perdeu um profissional dedicado, todavia os templos, as bibliotecas e os corações ganharam muito mais com a dedicação integral desse homem que se deixou ser instrumentalizado por Deus para o nobre serviço de sua causa.

Mohana jamais quis o holofote. Era homem de ação e fez questão de deixar isso claro várias vezes. Em entrevista publicada no Jornal do Dia (Porto Alegre, 25/10/55) e reproduzida por Arlete Nogueira da Cruz no Suplemento Cultural & Literário Jornal Pequeno Guesa Errante, Mohana rejeita qualquer rótulo de bondade e explica sua vocação: “Bom, só Deus e os gestos de Deus. Toda bondade sai dele e continua a depender dele, mesmo quando não nos transformamos em seu receptáculo. Não fui eu que o escolhi (se fosse, poderia sentir a vaidade de um palpite iluminado), foi Ele que me tirou da prateleira (foi quem me pôs lá também) e disse: vou encher de graças este vidro humano. Os outros ficaram na prateleira iguais a mim (o que não me envaidece) ou melhores do que eu (o que me humilha). Quantos não fariam melhor gestão com os dons que recebi para administrar”.

Autor de obras como “O outro caminho” (que recebeu o prêmio da Academia Brasileira de Letras como o melhor romance publicado no Brasil, em 1952, o qual foi alvo de diversas traduções), “O mundo e eu”, “Sofrer e amar”, “Maria da tempestade”, “Plenitude humana”, “Paz pela Oração”, “A vida sexual dos solteiros e casados”, bem como de diversas outras obras, Mohana era escritor prolífico e perfeccionista. Chegou a rasgar livros inteiros e parte de alguns – agora famosos – por não os considerar como bons textos. Dedicou-se a escrever para casais e famílias como alguém que oferece um guia prático de condução para uma vida de alegria e vitória. Era amigo dos jovens, aos quais sempre prestava conselhos, e isso o fez seguir a máxima pregada por Chesterton, reescrita no seu famoso livro Ortodoxia: “O jovem moderno nunca mudará o ambiente. Ele sempre mudará a mente”.

Mohana também era um apaixonado inconteste por música: declarou diversas vezes que gostaria de ter tido seu trabalho de resgate de partituras musicais do século XVIII reconhecido pelo Maranhão. Amava e valorizava a arte, a poesia, a cultura e a pintura. Apóstolo do povo, nunca se distanciou do púlpito frio. Pelo contrário: amava a humanidade, imiscuía-se nela com o denodo de servir com seu talento e de seguir a lição do Mestre, que comia com publicanos e pecadores.

Fundador da Juventude Universitária Autêntica Cristã (JUAC), Mohana fez discípulos em todas as camadas da sociedade, dando a si mesmo exemplos de humildade e abnegação. Nesse sentido, lembro o rabino Nilton Bonder, que, em seu livro “Sagrado”, apregoa: “Para ser rico um ser humano tem que sacrificar desejos e com isso perceber o sagrado”. Mohana viu o Sagrado e levou outros a vê-lo também. Com isso, enriqueceu corações, engordou almas, saciou ansiedades. Se, como disse Tucídides, “o segredo da felicidade é a liberdade. O segredo da liberdade é a coragem”, o Maranhão pode se orgulhar de seu nobre e corajoso cavaleiro do Evangelho: João Mohana, que conseguiu reunir em um único ser o sábio, o humanista, o psicólogo, o apóstolo e o médico.

Poderíamos dizer ainda que Mohana, seguindo o exemplo de Paulo, o apóstolo, pregou o amor, a misericórdia, a renúncia, a compaixão e o sofrimento. Na verdade, a sua própria vida era o que tinha menos importância, pois, no dizer paulino, registrado na Epístola aos Filipenses, “(...) viver é Cristo e o morrer é lucro”. Que a lembrança de teu nome jamais se apague, Mohana! E que as atuais e futuras gerações venham a saber que houve aqui, nesta terra, um homem santo entre nós.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 22/11/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento