Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

TJ-MA e a justiça

O Tribunal de Justiça do Maranhão celebra este mês a conquista de 201 anos com uma história marcada por notáveis episódios que revelam o denodo de homens e mulheres empenhados em velar pela correta aplicação do Direito e em tornar a justiça mais acessível, missão de qualquer instituição que se tenha como democrática.

Conta-nos o escritor e desembargador Milson Coutinho que foi precisamente em 4 de novembro de 1813 que se deu a instalação do Tribunal da Relação no Maranhão, uma espécie de embrião de nosso atual Tribunal de Justiça. Àquele ano, foram nomeados os cinco primeiros desembargadores e também o primeiro Chanceler, Antônio Rodrigues Velloso de Oliveira, homem dotado de vasto conhecimento.

Havia muito a ser feito: as questões envolvendo presos e um altíssimo volume de processos na justiça de primeiro grau já justificavam a instalação de uma corte judiciária. “Por essas e outras, e sendo a cidade de São Luís do Maranhão a que melhor reunia bases para a implantação do Tribunal, fez D. João baixar a Resolução de 23 de agosto de 1811, tomada perante a Mesa da Consciência e Ordens. Logo no ano seguinte, por alvará de maio de 1812, ordenava a expedição do Regimento da Relação, que viria a se instalar em 1813, na Casa da Câmara de São Luís do Maranhão”, relata-nos o mencionado escritor.

Ao longo desses anos, o Tribunal de Justiça do Maranhão deparou-se com casos que entraram para a história, a exemplo dos fatos que envolveram Pontes Visgueiro, o assassinato de um membro da família Kennedy no Maranhão e o emblemático crime da Baronesa. E foi em 1947, exatamente no dia 28 de julho, data em que se comemora a adesão do Maranhão à Proclamação da República, que finalmente passou a ser conhecido com a denominação que até hoje permanece.

Durante toda a sua trajetória, esse Órgão de Justiça sempre trilhou na defesa da democracia, levando aos mais distantes rincões de nosso Estado a instalação de comarcas; o investimento em infraestrutura e tecnologia; o olhar voltado para questões sociais; a instalação de juizados especiais, o estímulo à solução de conflitos mediante a conciliação; a mediação e a arbitragem; a realização de concursos públicos para contratação de pessoal; a valorização e reconhecimento dos magistrados; a questão de urbanidade com advogados, promotores, defensores e partes; e, acima de tudo, o respeito pelo alvo de toda essa grande engrenagem: a sociedade.

A história humana é traçada pelo ideário de justiça. Os povos antigos instituíram códigos para regular suas relações, bem como os crimes e o comércio. A própria Bíblia Sagrada traz, nos livros de Êxodo, Números e Deuteronômio, uma série de regras estabelecidas por Moisés, uma forma híbrida de legislador e juiz. Em várias passagens bíblicas, também há alegorias à figura de Deus como o Justo Juiz.

Muitos foram os estudiosos que se debruçaram sobre o tema, na tentativa de definir e entender o que vem a ser Justiça. Para Cícero, em sua obra intitulada “Da República”, é entendida como algo imanente e superior; para Aristóteles, como algo que não pode ser dissociado da ética; e, para Hans Kelsen, como algo que propõe a relatividade do que pode ser considerado justo ou não. A verdade é que não há conceitos fechados nem verdades absolutas quanto a essa questão. Em um dos livros mais provocadores sobre o assunto “Justiça, o que é fazer a coisa certa”, de Michael J. Sandel, o autor se propõe a revisitar uma série de teorias a partir de renomados filósofos, instigando o leitor a refletir.

Voltando à comemoração dos 201 anos bem-sucedidos do Tribunal de Justiça do Maranhão, num país em que muito se reclama do constante acúmulo de processos, da lentidão da máquina judiciária e da desvalorização dos operadores de Direito, pode-se afirmar que a corte maranhense tem feito a sua parte. Suum cuique tribuere, ou seja, dar a cada um o que lhe pertence. Esse é e deve ser um dos ideais de justiça que todos almejamos.

P.S. Também faço questão de agradecer a lembrança de meu nome por parte daquele egrégio tribunal (representado por seus ínclitos julgadores e sua tríade feminina, a qual comanda o judiciário estadual maranhense: Desembargadoras Cleonice Freire, Nelma Sarney e Anildes Cruz), que me distinguiu ao lado de diversos outros homenageados com a Medalha dos Bons Serviços Bento Moreira Lima. Foram condecoradas ainda outras personalidades com a Medalha do Mérito Judiciário Antônio Rodrigues Vellozo e com a Medalha Especial do Mérito Judiciário Cândido Mendes, na sessão solene que comemorou os 201 anos de instalação do Tribunal de Justiça do Maranhão. Tal reconhecimento fortalece meu compromisso com a sociedade e me une cada vez mais aos copartícipes dessa honraria, os quais são os companheiros de minha trajetória como homem público.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 16/11/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento