Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Valorização da ciência

Encerrada a edição estadual da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, a Universidade Federal do Maranhão comemora sua participação no evento, pois este ano integrou a programação com nove estandes e seis tendas. Circularam todos os dias pelo local 50 mil pessoas aproximadamente.

Podemos citar como destaques de nossa participação a Maquete do Binho com 7m² de tamanho, a qual foi inspirada em parques temáticos e construída pelo artista Fábio Caíres, graduado em Educação Artística e graduando em Música pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA); o estande do Colégio Universitário (Colun) que apresentou o Projeto Laboratório de Observação Astronômica (LOA), momento em que foi disponibilizada a observação de planetas, oficinas e o lançamento de foguetes; e, além disso, o estande do Curso de Ciências Naturais do Campus de Imperatriz da UFMA que apresentou o Projeto Morcegos no Maranhão, demonstrando o papel importante que esses animais desenvolvem na natureza. A Rádio Universidade FM também aderiu ao tema e veiculou na referida semana a série “Criança é Ciência”, sob a coordenação do professor Franklin Douglas, abordando questionamentos formulados por crianças e respondidos por especialistas dessa instituição de ensino.

A ciência é uma das razões de ser e um dos principais objetivos de nossa universidade. Não por acaso, a UFMA é hoje a instituição federal que mais envia alunos do Maranhão para o exterior, pelo programa Ciência sem Fronteiras, criado em 2011, por decreto da presidente Dilma Rousseff. Só em 2013, foram enviados 112 alunos para países como EUA, Canadá e Austrália. Os editais são coordenados pela CAPES e pelo CNPq, que são os financiadores do mencionado programa. Até o fim deste ano, cerca de 320 estudantes da UFMA terão sido beneficiados. Ainda no quesito relevância, em 2012, a UFMA sediou a reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, evento que reuniu mais de 30 mil pessoas de vários lugares do mundo, que teve como tema “Ciência, Cultura e Saberes Tradicionais Para Enfrentar a Pobreza”.

A UFMA tem como política reconhecer e premiar, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, os pesquisadores que se destacam pela relevante produção científica nas grandes áreas do conhecimento e por suas contribuições à Ciência e à Tecnologia. Os investimentos na estrutura física também demonstram nosso compromisso de valorizar e estimular o conhecimento científico: no ano passado, o então ministro de Ciência e Tecnologia ficou impressionado com o Centro de Pesquisa do CCET, que agrega os laboratórios voltados para a pesquisa em Física, Química de Materiais e Engenharia Elétrica. Àquela ocasião, foram descerradas placas de sete obras financiadas pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), com recursos garantidos pelo FINEP. As obras – que incluem a Unidade de Preparação e Caracterização de Materiais e Biocombustíveis – somam investimentos de mais de 22 milhões de reais do MCTI na UFMA.

Quando ampliamos esses números em termos de Brasil, verificamos, em dados oficiais, que os investimentos em pesquisa e desenvolvimento respondem por 1,2% do produto Interno Bruto, sendo que a Ciência e tecnologia têm participação de 1,5% no PIB. O orçamento do MCTI, que era de R$ 1,8 bilhão em 2003, cresceu tanto que chegou a R$ 7,2 bilhões em 2013. Para o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, no ano de 2013, o valor de recursos de bolsas foi de R$ 1,66 bilhão, uma diferença gigantesca em relação aos R$ 450 milhões aplicados em 2003. E nessa década, ou seja, entre 2003 e 2013, os recursos destinados à pesquisa pelo Ministério saltaram de R$ 140 para R$ 520 milhões, sem contar que o total de recursos aplicados em Ciência e Tecnologia aumentou três vezes, passando de R$ 22 para R$ 66 bilhões. Dessa forma, a produção científica brasileira, que era 1,25% da produção mundial em 2000, subiu para 2,24% no ano de 2013.

O avanço é inegável, mas há muitos desafios a serem superados. Embora o Brasil esteja entre os quinze países que mais publicam artigos científicos, somente quatro cientistas brasileiros constam na lista dos 3.215 pesquisadores com maior impacto no mundo, o que equivale ao percentual de apenas 0,1% do total. Os dados são de uma reportagem do jornal Folha de São Paulo, de setembro deste ano, feita a partir da listagem elaborada pela consultoria Thomson Reuters com base em levantamento de trabalhos acadêmicos publicados de 2002 a 2012.

A UFMA tem procurado fazer a sua parte. Esperamos que sua valiosa colaboração seja relevante para que nosso Estado, assim como todo o país, galgue patamares mais elevados no campo da ciência, ferramenta fundamental para a evolução de nossa sociedade.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 02/11/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento