Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Novos caminhos para a educação

Um dos pensadores mais badalados da atualidade, o filósofo francês Pierre Lévy, esteve no Brasil para participar do encontro internacional “Educação 360”, promovido pelos jornais EXTRA e o Globo nos dias 5 e 6 de setembro. Em entrevista aos jornalistas brasileiros, ele defendeu o que chama de “conhecimento colaborativo”, que servirá não só para resolução de questões de uma prova, por exemplo, como também para a vida de quem o adquire; falou sobre a utilização de novas mídias a favor do ensino; afirmou o que acredita que seja o papel do professor no futuro (o de um guia); e, por fim, vaticinou: “não há conhecimento sem esforço”.

A fala de Lévy é marcante, pois ele tem se dedicado a estudar esse admirável mundo novo (expressão esta que nos remete à obra-prima de Aldous Huxley), no qual a educação adquire contornos que exigem, tanto do professor como do aluno, novas maneiras de ensinar e de aprender. Infelizmente, antes que se possa discutir esse novo cenário, o Brasil precisa debelar um legado negativo – fruto de décadas de atraso – com a priorização de questões que podem alicerçar uma educação emancipadora e libertadora como, por exemplo, o investimento maciço na formação de novos professores, a adoção de critérios de meritocracia para o reconhecimento desses profissionais (que inclui muito mais do que a valorização do salário), a reformulação dos currículos de ensino e o estímulo para que alunos se sintam desafiados a alcançar novos patamares.

Ademais, o filósofo asseverou que o professor deve trabalhar numa perspectiva multidisciplinar, a exemplo do que já ocorre nas escolas americanas e europeias. Para a realidade brasileira, acredito que apenas importar por importar os modelos que são trabalhados lá fora não é uma alternativa sensata, uma vez que aqui ainda há – como já foi dito anteriormente – outros patamares a serem galgados, os quais começam justamente no estabelecimento de políticas públicas que ultrapassam o prazo dos mandatos dos dirigentes. Afinal, mais que um programa de governo, a educação é e deve ser uma política de Estado a ser abraçada por todas as famílias e por toda a sociedade.

O Plano Nacional para Educação recentemente sancionado prevê aplicação de 10% do PIB até 2024. Essa iniciativa é válida, porém o mais importante não é unicamente a disponibilização de recursos financeiros, mas também a qualidade na aplicação. O Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (IDEB), apurado a cada ano a partir de metas qualitativas estabelecidas pelo Ministério da Educação, avalia a evolução do ensino desde o nível fundamental até o ensino médio. O Brasil tem avançado nas séries iniciais; contudo, as séries do final do ciclo fundamental não têm apresentado rendimento escolar que corresponda às metas esperadas, resultando assim em altas taxas de reprovação e abandono.

O fortalecimento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que foca na segurança alimentar e nutricional, ajudou o país a superar o flagelo da fome, inclusive as metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), e, além disso, contribui para a manutenção dos alunos de baixa renda nas escolas. Somente este ano, foi repassado pouco mais de 400 milhões de reais aos municípios e estados. De qualquer maneira, a fiscalização da sociedade e a gerência administrativa continuam sendo os pilares que farão com que os recursos sejam maximizados. O PROUNI e o FIES são outros mecanismos – o primeiro realiza concessão de bolsas; o segundo, financiamento estudantil para o ensino superior – que potencializam e diversificam as formas de ingresso nas faculdades.

Há pouco mais de 80 anos, quando nasceu o Ministério da Educação, órgão naquela época responsável pelas atribuições atinentes à saúde pública, que foi posteriormente desmembrado (em 1953), o Brasil tem apresentado modelos diversos e um discurso quase sempre atrelado ao aumento de recursos. É fato que, do ponto de vista do investimento por aluno, aplicamos 1/3 do que investem países desenvolvidos. Sobre este tema, vale a leitura de um livro recente e esclarecedor do especialista Gustavo Ioschpe, cujo título é “O que o Brasil quer ser quando crescer?”, em que o autor desconstrói mitos sobre a educação brasileira, baseados em dados nacionais e internacionais que desvelam fragilidades e potenciais brasileiros, em particular a disparidade entre gastos e resultados. 

A UFMA, embora seja uma instituição de Ensino Superior, tem voltado seu olhar também para o fortalecimento do Ensino Médio, através de programas como o PNAIC (Programa Nacional para Alfabetização na Idade Certa), em que atua como parceira dos municípios e estado, ofertando sua expertise por meio de seus técnicos e professores. O analfabetismo (na faixa de 15 anos ou mais de idade) é um dos problemas ainda não vencidos pelo Programa, apesar de as estatísticas apresentarem diminuição de sua incidência no país. Registre-se que o Nordeste ostenta, desde 2013, os mais altos índices de todas as regiões brasileiras, 16,6%. Em paralelo, a UFMA operacionaliza o PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência), cujo principal objetivo é prover o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica mediante o fornecimento de bolsas para alunos de licenciatura, em parceria com escolas de educação básica da rede pública de ensino.

Há muito a ser feito. Existem boas estratégias, todavia cabe a nós, enquanto parte da maior e melhor universidade pública do Maranhão, manter o rumo que produzirá, a seu tempo, desenvolvimento, crescimento e a verdadeira justiça social que não torna simplesmente as pessoas iguais, mas lhes dá a oportunidade de se realizarem.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

 

 Publicado em O Estado do Maranhão em 19/10/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento