Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

A Universidade Federal do Maranhão conquista mais um grande avanço: o Laboratório de Arqueologia, inaugurado no último dia 15 de setembro. De início, o recém-inaugurado laboratório já possui um acervo de 300 peças oriundas dos sítios arqueológicos localizados na baixada ocidental, dispõe ainda de uma biblioteca especializada e de equipamentos sofisticados para pesquisas arqueológicas, além de já ter iniciado três projetos de pesquisas no valor de R$ 300 mil reais, financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Maranhão, e ter recebido a doação de R$ 1 milhão e 300 mil reais da empresa Suzano Papel e Celulose para realização de pesquisa aplicada.

A inauguração do laboratório – idealizado ainda em 2010, ano que coincidiu com a entrega do prédio de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais – fez parte da programação do I Seminário do Laboratório de Arqueologia, que contou com a presença de diversos estudiosos da área, interessados e renomados especialistas no assunto, entre os quais destacamos o Professor de Arqueologia da Unicamp, Pedro Paulo Funari, integrante do conselho editorial de importantes revistas científicas brasileiras e estrangeiras; o professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e autor de vários estudos nas áreas de Teoria Arqueológica, Arqueologia da Escravidão, Arqueologia Pública, Patrimônio Cultural, Lúcio Menezes Ferreira; a Superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Kátia Bogéa; o Coordenador do Laboratório de Arqueologia da UFMA, Alexandre Guida Navarro; e os arqueólogos Arkley Bandeira e Danilo Assunção, profissionais atuantes em nosso estado.

Por ocasião da inauguração, a Superintendente do IPHAN, Kátia Bogéa, aproveitou para comunicar à nossa universidade a concessão de uma licença de pesquisa e guarda para o laboratório realizar análises acerca das estearias no Maranhão (sítios arqueológicos nos quais viveram os primeiros índios), que já são alvo de estudos preliminares por parte da equipe conduzida pelo Prof. Alexandre Navarro. Ano passado, a equipe, composta ainda por um museólogo e alunos de várias áreas de formação da UFMA, financiados pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), esteve levantando dados em antigas estearias localizadas numa região chamada Cuba, que fica próxima ao município de Pinheiro, onde foram coletados 171 fragmentos de peças de cerâmica.

Também estamos prospectando para 2015 a implantação do primeiro curso de Graduação em Arqueologia na UFMA, que será ministrado no prédio onde por muitos anos funcionou o Serviço de Imprensa e Obras Gráficas do Estado (SIOGE), localizado na Rua Antônio Rayol, no Centro da capital. O espaço, com mais de 4 mil metros quadrados, será totalmente restaurado para abrigar as mais de 60 mil peças que datam de mais de nove mil anos, encontradas nas escavações feitas durante a construção da refinaria Premium, e que comporão o acervo do Museu de Arqueologia, ainda a ser inaugurado.

A Universidade Federal do Maranhão, que entende sua participação como promotora da inclusão social e deve seu crescimento ao investimento contínuo na pesquisa e extensão, está determinada a protagonizar diálogos e fomentar parcerias no constante resgate do que merece ser preservado, uma vez que não é indiferente o fato de que o Maranhão possui um rico patrimônio arqueológico (a exemplo do sítio localizado no Vinhais Velho; dos sambaquis do Bacanga, de Panaquatira e do Paço do Lumiar) e também uma extensa bacia hidrográfica da baixada maranhense, composta pelos rios Mearim, Pindaré, Pericumã e Turiaçu, que abrigam inúmeros materiais importantes em seus leitos.

A arqueologia no Brasil vem ganhando cada vez mais destaque e os registros históricos indicam que nossos primeiros imperadores (D. Pedro I e D. Pedro II) eram grandes incentivadores dessa área do estudo humano. Nem mesmo algumas dificuldades vivenciadas no período do Estado Novo e da Ditadura tiraram da Arqueologia seu papel relevante na busca da sociedade por respostas às indagações acerca de nossa origem e evolução. As pesquisas arqueológicas, que abrangem temas tão amplos como o meio ambiente, a cultura, a escravidão, as mulheres, além de aspectos sociais, econômicos e políticos, são fortes indutoras de uma inclusão social cada vez maior, pois estimulam o turismo e a geração de emprego e renda. Dessa forma, vale ressaltar que não há grande empresa que prescinda hoje do trabalho do profissional da Arqueologia.

Com nosso recém-inaugurado laboratório e futuro curso e museu de Arqueologia, o Maranhão terá à disposição pesquisadores e profissionais preparados para cuidar de nosso patrimônio, assim como entrará na lista dos Estados que legam às futuras gerações um acervo capaz de atender demandas que interessam não apenas à nossa sociedade, mas também à humanidade.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

 Publicado em O Estado do Maranhão em 06/10/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento