Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A magia do cinema é inexplicável: possui o dom de nos transportar para lugares fantásticos, despertar sentimentos e emoções, gerar empatia com as histórias dos personagens e, além disso, serve para refletir sobre nossas próprias vidas. Talvez seja por isso que Cecília – personagem vivida por Mia Farrow no filme “A rosa púrpura do Cairo”, de Woody Allen – aguarda ansiosamente a noite chegar para ir ao cinema, para se esquecer da vida dura que leva. Talvez seja por esse mesmo motivo que Lisbela, personagem da atriz Débora Falabella no filme “Lisbela e o prisioneiro”, mocinha romântica e sonhadora, moradora de uma cidadezinha isolada, fantasia com os galãs hollywoodianos.

A Universidade Federal do Maranhão, por acreditar nesse espetacular meio de informação, cultura, diversão e reflexão, realizou – mais uma vez, com estrondoso sucesso, por meio do Departamento de Assuntos Culturais (DAC) e da Pró-Reitoria de Extensão – o Festival Guarnicê de Cinema, resultado de um trabalho conjunto entre esta Instituição de Ensino, a Petrobrás, o Ministério de Cultura, a Vale e a Fundação Sousândrade. O evento reuniu, além de cinéfilos apaixonados, um público curioso e fã da sétima arte.

Para que se tenha uma ideia da grandiosidade do evento, foram mais de 200 filmes inscritos para a edição 2014 do Festival. Após a seleção feita pelos curadores, tivemos uma programação diversificada e extensa, com mostras competitivas (longas e curtas), mostras de filmes convidados, mostra francesa, mostra brasileira, Memória Guarnicê, Cinefoot, além da realização do projeto "Cinema em todo lugar" e Mostra Jovem, cujas programações foram desenvolvidas no Teatro da Cidade de São Luís, para o público infantil e o infantojuvenil, oriundos de escolas públicas estaduais – uma parceria UFMA/SEDUC.

Paralelamente, na Cidade Universitária do Bacanga, aconteceram também ações formativas em parceria com a Fundação Joaquim Nabuco, de Pernambuco, e a Escola Pública Audiovisual Vila das Artes, do Ceará, entre elas: minicursos de 20h e 40h de roteiro, montagem, figurino, contrarregragem, curadoria, quadrinho e literatura.

Ademais, pudemos contar com a presença de Rômulo Estrela, ator maranhense e integrante do casting de diversos trabalhos nacionais, que veio participar de um intercâmbio profissional com atores e atrizes maranhenses, oportunidade em que comentou suas experiências de trabalho, desafios e conquistas profissionais.

No quesito premiações, o Festival Guarnicê de Cinema continua inovando. Nesta edição de 2014, houve a entrega do Troféu Guarnicê, do prêmio BNB de cinema, do prêmio do Júri Popular, do Troféu ABD (este último destinado ao melhor filme curta ou longa-metragem escolhido por realizadores de filmes maranhenses) e a entrega do Prêmio Cinematográfico Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão. Este último surgiu da iniciativa do então deputado Joaquim Haickel, também cineasta e um entusiasmado defensor da produção e difusão audiovisual, que foi o autor do projeto o qual deu origem à Resolução Legislativa nº. 546/2008, que outorga ao Festival Guarnicê de Cinema o valor equivalente a trinta salários mínimos para as melhores produções cinematográficas maranhenses.         

O valor total do prêmio é dividido de forma a contemplar com dez salários mínimos cada um dos maranhenses vencedores do melhor documentário, da melhor ficção e, ainda, o escolhido pelo júri popular. Tais premiações receberam os nomes de três ex-deputados estaduais ligados às artes e à cultura de nosso Estado, assim discriminados: Prêmio Mauro Bezerra, destinado ao melhor documentário maranhense (curta ou longa-metragem); prêmio Bernardo Coelho de Almeida, destinado à melhor ficção maranhense (curta ou longa-metragem); e o prêmio Erasmo Dias, para a melhor produção maranhense escolhida pelo júri popular (curta ou longa-metragem).

A edição 2014 do Festival Guarnicê de Cinema certamente ficará na memória e no coração de todos aqueles que dela participaram, porque, mais uma vez, renovou-se o encanto da tela grande e a certeza de que sempre existirão pessoas dispostas a contar histórias e também muitas outras a assisti-las, a aplaudi-las e com elas se emocionarem, contrariando todos aqueles que já decretaram a morte do cinema nesses tempos de novas mídias.

O Festival cumpriu, como em todas as suas edições, seu propósito de ser um espaço privilegiado para a revelação e expansão de talentos e formação de novos públicos, que haverão de – a exemplo dos personagens do antológico italiano Cine Paradiso e, mais recentemente, do brasileiro Cine Holliúdy – confirmar que vale a pena investir nesse importante produto cultural.

 

Pela exiguidade do espaço, não foi possível discorrer acerca do histórico do Festival, do trabalho desenvolvido pelo Departamento de Assuntos Culturais e pela Pró-Reitoria de Extensão, muito menos explanar a respeito dos diversos projetos de sucesso já realizados na área da cultura pela Universidade Federal do Maranhão. Porém, esses assuntos serão abordados no nosso próximo artigo. 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 03/08/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento