Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

No caminho certo

Na semana passada, a Universidade Federal do Maranhão teve a honra de sediar o Seminário Estadual Mais Médicos para o Brasil, Mais Saúde para os Brasileiros com o tema “Impactos e Avanços do Programa mais Médicos no Maranhão”, que se propôs refletir sobre a evolução do programa após dez meses de sua implantação.

O Seminário contou com a presença do secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Hêider Aurélio Pinto, que na ocasião estava representando o ministro da Saúde, Arthur Chioro. De acordo com os dados apresentados pelo Secretário, será investido pelo Ministério da Saúde em todo o Brasil o montante de 15 bilhões de reais até o final deste ano para melhorar a infraestrutura dos serviços de saúde. Deste total, cerca de 7,4 bilhões de reais já estão em execução e 5,5 bilhões de reais são recursos novos, além de dois bilhões de reais para 14 hospitais universitários.

Naquela oportunidade, ressaltei a importância da parceria da UFMA com o governo federal para a execução de projetos na área da saúde e educação, e lembrei ainda o papel fundamental que nossa universidade teve tanto no apoio ao Programa Mais Médicos em sua implantação como na observância ao que diz o Conselho Nacional da Educação em relação às novas diretrizes dos projetos pedagógicos.

O Secretário pontuou que, atualmente, o mencionado programa está presente em quase quatro mil municípios através dos serviços prestados por 14 mil médicos alocados nas unidades básicas, impactando, em menos de um ano, a vida de 49 milhões de brasileiros. No Maranhão, são 651 profissionais atuando em 176 municípios e também num distrito indígena, o que beneficia diretamente 2,2 milhões de pessoas, superando a meta inicial estabelecida.

Os dados apresentados pelo Secretário revelam que em nosso estado houve um crescimento de 54,2% no número de atendimentos de saúde mental realizados nas unidades básicas de saúde. Matéria publicada pelo portal da saúde, à qual faço referência aqui ipsis litteris, indica que “houve um aumento de 47,8%, na quantidade de atendimentos de urgência (passaram de 1.462 para 2.161, no mesmo período), de 22,8% nas consultas de demanda agendada (87.927 para 108.016), de 17,7% no número total de consultas (165.497 para 194.806). Também foi registrado crescimento de 16,6% nas consultas de cuidado continuado, que passou de 33.367 atendimentos em janeiro de 2013, para 38.919 em janeiro deste ano e redução de 29,9% no encaminhamento a hospitais (passando de 1.825 em 2013 para 1.279 em 2014)”.

Todos esses números mostram que não foi em vão nossa luta e nem o esforço do Governo Federal em implantar o programa, mesmo em meio a diversas críticas e resistências. Posicionei-me desde o início a favor daqueles que o defenderam e cheguei a me manifestar na Câmara Federal em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior – ANDIFES, entidade que hoje congrega 63 universidades federais de nosso país, deixando claro que para nós a iniciativa tinha (e tem ainda) como grande mérito o fortalecimento do Sistema Único de Saúde, que se propõe levar a saúde às pessoas mais carentes e necessitadas, as quais estão à margem da nossa sociedade.

Além disso, focamo-nos na importância da formação e na qualificação de novos médicos e de outros profissionais da área da saúde em sintonia com a realidade na qual serão inseridos, com a agregação de tecnologias, com a oferta de uma residência médica que conte desde o princípio com professores doutores, e no investimento maciço em ensino, pesquisa e extensão.

A população brasileira tem sinalizado de forma inequívoca que anseia por políticas que atendam necessidades vitais e, assim, colaborem para o bem-estar da sociedade brasileira, basta lembrarmos o movimento cívico que tomou conta do país por meio das manifestações de junho do ano passado. O Programa Mais Médicos representou muito bem toda essa aspiração, quando se registrou – mediante pesquisas como, por exemplo, a da CNT/MDA –  que 84,3% da população aprovam o programa.

O Maranhão já não está mais no patamar dos piores estados da federação em distribuição de médicos. Temos novos cursos de Medicina nos interiores e queremos que haja uma ampliação do programa, com investimentos na área de saneamento básico e com a participação inclusiva de outros Ministérios como, por exemplo, o do Turismo para que se possa agregar emprego e renda a esses locais.

Sou solidário – como sempre fui – ao fortalecimento e à valorização da classe médica, e acredito que isso passa por uma série de fatores que está em discussão, a exemplo da criação de uma carreira de estado para os profissionais. O Programa Mais Médicos é hoje uma realidade que começamos a vivenciar. Isto nos remete ao provérbio português que expressa “contra fatos não há argumentos”. Sendo assim, posso afirmar convictamente que esse programa é o passo inicial na revolução da saúde que todos nós almejamos. 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

 Publicado em O Estado do Maranhão em 06/07/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento