Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

Um dos personagens mais densos e interessantes de Fiódor Dostoiévski é Golyádkin, personagem central do livro “O duplo” que crê falsamente no seu eu clonado. Quem conhece a história sabe por que ele se imaginava assim. Ao contrário do personagem a que me referi, esta semana o Maranhão perdeu um de seus maiores múltiplos: Ubiratan Teixeira, que  deixará vários de si a ecoar nas letras, nas artes, no teatro, na TV, no ensino.

Ubiratan Teixeira era desses homens inclassificáveis. Em uma de suas crônicas, datada de 1995, ele revelou se sentir à vontade tanto de bermuda e chinelo como em traje formal na Academia Maranhense de Letras, e contou um episódio que, curiosamente, fez referência ao seu próprio funeral: “[...] uma casaca formal [...], peça de vestuário que só usei nessa ocasião e ciosamente a guardo sob camadas de naftalinas para envergá-la de novo no meu funeral: que vai ser hilária, vou me esbaldar, a cara de Deus diante da visão insólita que certamente será esta sua alma eternamente nua, enfarpelada em traje tão formal na portaria do céu, parlamentando com São Pedro”.

Não consta que Bira, o qual partiu no domingo, dia 15, tenha usado o tal fraque nesta sua última viagem. Dono de uma fina ironia peculiar, ele inscreveu seu nome entre os grandes do teatro maranhense, da crônica, da crítica, da literatura, do jornalismo. Não poderia tecer mais detalhes de seu vasto legado literário, visto que tantos outros já o fizeram e ainda o farão. Entretanto, ressalte-se que duas ligações em sua vida dizem respeito a mim também.

A primeira se relaciona ao chamado de Ubiratan ao teatro que ocorreu indiretamente por intermédio de Dom Delgado, conforme aquele mesmo descreve num trecho de uma de suas crônicas intitulada “Se a eternidade existe...”. Nessa crônica há uma preocupação da narrativa em evidenciar o caráter empreendedor do então Arcebispo do nosso Estado, responsável pelo embrião que viria a ser depois a Universidade Federal do Maranhão, onde posteriormente o próprio Bira veio a se graduar em Letras. Fazendo um ponto de intersecção com a minha história, já tive oportunidade aqui de discorrer acerca de Dom Delgado, quando este profetizou, há 50 anos, a construção da Cidade Universitária, o que hoje é uma feliz realidade que quiseram os céus que viesse a ocorrer em nossa gestão à frente da UFMA. Ubiratan Teixeira referiu-se a Dom Delgado na citada crônica como aquele que “sacudia os alicerces da Igreja local com uma mensagem social acima dos interesses políticos subalternos e uma visão cristã acima do terço e da venda de indulgências”. A crônica que eu cito e recomendo a leitura fala ainda de outro homem grandioso nesta terra, o Padre João Mohana.

A segunda ligação diz respeito ao fato de que Bira foi iniciado no mundo do jornalismo por ninguém menos que Neiva Moreira, meu antecessor na Academia Maranhense de Letras na cadeira de número 16, o qual era proprietário do Jornal do Povo. De tradutor de telegrama, após ser comissionado pelo próprio Neiva, tornou-se repórter e, logo depois, fotógrafo. Fez história no jornal. Contam os amigos que ele era fascinado pela vida ordinária, pelas pessoas sem voz nem vez, por episódios que passariam despercebidos por outros olhares menos atentos.

Um acontecimento trágico deu-lhe a ideia para um de seus mais famosos contos, adaptado tanto para o teatro – pelas mãos de Wilson Martins – quanto para o cinema, com o curta-metragem assinado por Frederico Machado. O conto denominado “A Vela ao Crucificado” relata a história de um casal pobre que se vê às voltas com o velório do filho.

Dentre a série de documentários intitulada “Academia da Memória – Homens e Imortais” sobre os membros da Academia Maranhense de Letras, produzida e realizada pelo meu confrade Joaquim Haickel, quero destacar um documentário que traz o título “Ubiratan Teixeira, um maranhense porreta de bom” e que mostra um Bira saudosista e, ao mesmo tempo, extremamente franco. Este autor conta que a inspiração para seus escritos nasce “das ruas, becos e feiras, ou seja, uma cidade que não se encontra em peças publicitárias [...]. Minhas histórias são as pessoas que vivem em torno de mim”, comenta. Seus personagens favoritos? “O usuário de ônibus, o homem do mar, o filho da empregada”.

O escritor revelou ainda um de seus maiores prazeres: escrever a mão, a lápis, na folha de papel almaço. “É uma das minhas maiores alegrias”, disse. Crítico, ele afirmou: “Não existe esse negócio de terceira idade, melhor idade. É velho mesmo”. Todavia, sabia ser doce: basta verificar sua obra de teatro “Búli-búli”, publicada em 1992, uma ode em homenagem às suas conversas com o neto, cuja linguagem o amoroso avô entendia e traduzia.

Sobre sua partida, ele mesmo vaticinou: “A gente vai embora, deixa um livrinho aqui e outro ali”. Modéstia pura: seus livros e crônicas superam esse resumo. De forma muito justa, Ubiratan Teixeira será o homenageado da 8.ª Feira do Livro de São Luís, que será realizada em novembro. 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

 Publicado em O Estado do Maranhão em 29/06/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento