Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

A esperança mais uma vez se renova no coração de milhares de estudantes que prestaram o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) em 2013 e que ainda não entraram no sonhado curso universitário. A partir de amanhã, a Universidade Federal do Maranhão estará ofertando mais de 3 mil vagas para o ingresso no segundo semestre de 2014 através do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que utiliza a nota obtida na última edição do Enem.

As vagas são para diversos cursos e estão distribuídas no campus do Bacanga e nos campi espalhados pelo continente. A seleção dos interessados ocorrerá em duas chamadas sucessivas. As vagas que não forem logo preenchidas serão oferecidas aos alunos que constarem de uma lista de espera. Todos os detalhes estão devidamente regulamentados no Edital nº 145/2014 – Proen, o qual está disponível no site da UFMA.  

O Sisu vem se revelando, a cada ano, como uma das formas mais democráticas de acesso aos cursos de graduação, pois o candidato que vai prestar a prova do Enem não tem a obrigação de decidir, já no ato da inscrição, qual será o curso preferido, o que poderia tirá-lo do páreo mais cedo. Sendo assim, a partir dos pontos alcançados, o aluno que se inscreve no Sisu poderá escolher o curso no qual ingressar, qual a faculdade (dentro de um amplo universo de universidades e cursos que temos pelo Brasil afora), bem como ainda fazer, caso deseje, a migração de curso ou até mesmo de instituição. Além de valer para o Sisu, a nota do aluno no Enem é utilizada para o programa Ciências sem Fronteiras, o Prouni e o FIES.

Por isso mesmo, nos orgulhamos em afirmar que a Universidade Federal do Maranhão foi uma das que aderiram ao Sisu já em sua primeira edição, sendo a terceira no país a receber o Enem. Naquele momento inicial, houve quem pensasse que a escolha não estaria correta, porém, passado tão pouco tempo, contata-se que a atitude pioneira foi um passo acertado. Em 2014, mais dez universidades federais e duas estaduais formalizarão os concursos de admissão pelo Enem/Sisu. Atualmente, o sistema é adotado por 21 universidades federais, quatro estaduais e 29 institutos federais.

O sistema se configura num novo paradigma de acesso ao ensino superior no Brasil. É parte de uma evolução que, conforme o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), se mostra num crescimento espetacular de 81% entre 2003 e 2012, chegando a mais de 7 milhões de alunos matriculados. Ainda segundo o Inep, os alunos estão distribuídos em 31.866 cursos ofertados por 2.416 instituições de ensino superior – 304 públicas e 2.112 privadas. A característica marcante desse sistema é valorizar o mérito e definir uma forma mais equilibrada e democrática de acesso ao ensino superior. Além de oferecer ao aluno proveniente de regiões menos favorecidas condições para estudar em centros com mais opções de cursos e maior qualificação.

Entretanto, considerando as dimensões colossais de nosso país e a distribuição socioeconômica desigual entre as regiões, há um evidente desequilíbrio na oferta de cursos/faculdades devido à concentração nas regiões centro-oeste, sudeste e sul. O papel das universidades federais é capilarizar essa rede de cursos, promovendo a interiorização como a UFMA tem feito com a abertura de novos campi nas principais cidades do Maranhão, atendendo regiões que historicamente têm sido esquecidas nos planos de desenvolvimento. Indiscutivelmente, não é possível se falar em ascensão social e emancipação econômica sem formação educacional.  

O número de instituições públicas de ensino superior cresceu 46,8% na última década. Por outro lado, as unidades destinadas ao interior do país cresceram 58,7% nesses dez anos. De fato, pelo menos assim entendemos, este programa funciona como instrumento de desenvolvimento micro e macrorregional. É um programa que é realizado de acordo com a aptidão de cada área geográfica e estabelece um “norte” de desenvolvimento tecnológico, transformando, em pouco tempo, uma região inteira de forma sustentável e permanente.

É notório que a criação do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), em 2007, ampliou o número de universidades federais de 46 para 63, privilegiando as regiões interioranas dos estados, todavia não basta aumentar o número de instituições, pois o grande desafio que se coloca, ainda ao lado deste crescimento que deve continuar, é a qualificação delas. Envidar todo esforço para que se tornem usinas de inovação, pesquisa, formação de mão de obra qualificada e especializada, isso sim são verdadeiros motores de um país.

Aos candidatos que vão pleitear uma vaga dentre as que serão colocadas à disposição nesta segunda chamada do Sisu, desejo boa sorte e que logrem pleno êxito na realização do sonho de fazer um curso de graduação. A UFMA, maior e melhor instituição de ensino superior do Maranhão, os recebe de braços abertos.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

 

Publicado em O Estado do Maranhão em 01/06/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento