Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Histórias coincidentes de lutas e conquistas
Neste ano de 2012 serão comemoradas uma série de datas significativas para São Luís e para o Maranhão: ao mesmo tempo em que a capital festejará o seu quarto centenário em setembro, a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional do Maranhão, completa oito décadas de uma história cheia de conquistas neste mês de abril. A Universidade Federal do Maranhão orgulha-se em participar dessa comemoração por ser ela mesma o berço da grande maioria de conceituados juristas que dela saíram e sairão para servir aos seus concidadãos na construção de uma sociedade mais justa, inclusiva e democrática.
 
Coincidentemente, em abril de 1918, precisamente na manhã do dia 28 - numa iniciativa nobre de Fran Paxeco e Fernando Perdigão e numa assembleia que contou com a presença de diversos outros ilustres maranhenses – foi estabelecida a Faculdade de Direito, por meio de uma Associação, como nos lembra Sálvio Dino, autor de um dos mais destacados trabalhos que resgatam a história do Curso de Direito no Maranhão (intitulado A Faculdade de Direito do Maranhão). O curso nascia em meio a um clima de profunda efervescência cultural, e logo tornou possível aos jovens maranhenses a realização do sonho de cursar Direito sem precisar se aventurar em outras terras. 
 
O ano de 1918, prossegue Sálvio Dino, também foi marcado pela festa comemorativa dos cursos jurídicos no Brasil, em 11 de agosto, e somado a esse evento, o cinquentenário da vida literária de Rui Barbosa, motivos que ensejaram a realização de uma solenidade no então Teatro São Luís (hoje Teatro Arthur Azevedo). O Curso de Direito recebeu sua autorização pelo Decreto nº 17.558, de 10 de janeiro de 1945, e seu reconhecimento se deu através do Decreto nº 24.135, de 28 de novembro de 1947. Em 26 de outubro de 1966, precisamente pela Lei 5.152, a Faculdade de Direito foi integrada à Fundação Universidade do Maranhão. 
 
O professor João Batista Ericeira, em artigo publicado na última quarta-feira, dia 25, no jornal O IMPARCIAL, com o título 80 anos da OAB-MA, também traçou um cenário político-cultural do surgimento do Curso de Direito da UFMA, apontando nomes importantes na construção dessa história.
 
Transcorridos 94 anos de fundação, o curso de Direito da UFMA alcançou sua própria dinâmica, e os resultados são excelentes: desde a formação de muitos profissionais que se destacaram não apenas no Maranhão, mas também nacionalmente nas mais diversas carreiras jurídicas, passando pela realização de eventos internacionais, jornadas, seminários e, como vitória mais recente, a aprovação pela CAPES do Mestrado acadêmico de Direito da UFMA, que somado aos demais, totalizam 26 mestrados oferecidos atualmente pela Instituição. Também está em franco progresso o processo de restauração e de requalificação do Fórum Universitário Fernando Perdigão, situado na Rua do Sol, no centro de São Luís, o qual está sendo reformado para atender aos princípios de preservação do patrimônio histórico, com adaptações e melhorias que vão permitir que o prédio abrigue os Cursos de Pós-Graduação de Direito da UFMA. O prédio faz parte de uma área de tombamento e abrigou, até 1976, a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Maranhão. 
 
E como se tantos fatos positivos não bastassem, eis que no último dia 19, em Brasília, tivemos a alegria de ter os cursos de Direito dos Campi de São Luís e de Imperatriz entre os 89, que foram reconhecidos pela OAB nacional com o Selo de Certificação OAB 2011. Àquela solenidade, fizemo-nos presentes ao lado do coordenador do Curso de Direito de Imperatriz, Prof. Gabriel Araújo Leite, e dos professores José Agenor Dourado e José Carlos Sousa Silva, na qualidade de representantes do corpo docente, estando presentes também à solenidade o presidente da OAB, seccional maranhense, Dr. Mário Macieira, e o Juiz Federal Ney Bello, ambos pertencentes ao quadro de professores do Departamento de Direito da UFMA. 
 
Acredito que mais esse reconhecimento seja resultado de uma série de investimentos da Instituição para garantir melhoria na qualificação do corpo docente e, como consequência, o aperfeiçoamento da qualidade de ensino na graduação e pós-graduação. Nas palavras do presidente da OAB nacional, Dr. Ophir Cavalcante, a formação educacional deve transcender ao desejo de oferecer uma boa técnica profissional, pois o foco deve estar na formação de verdadeiros cidadãos, enfatizando o quanto a OAB leva a sério o desafio permanente de zelar pela qualidade do ensino aos cidadãos que vão fazer e administrar a Justiça em nosso país. Tal reconhecimento também alcançou a UNDB, instituição distinguida com a mesma honra naquela solenidade e representada pela sua diretora, Professora Ceres Murad. 
 
Num país que hoje contabiliza 1.240 cursos de Direito em funcionamento, é uma honra para a Universidade Federal do Maranhão ser alcançada e distinguida com o reconhecimento da Ordem dos Advogados do Brasil. Esta mesma Ordem, que tem na seccional maranhense uma guardiã dos valores mais caros da sociedade, em seu papel de defender os direitos humanos, de proclamar a justiça social, de dar voz e oportunidade a tantos quantos se sentem ameaçados e perseguidos. 
 
De parabéns estão o Curso de Direito da UFMA, por legar ao Maranhão profissionais aptos para atuar nas mais diversas áreas da Justiça, e a OAB-MA, a segunda casa dos egressos desse curso, que abraçam a advocacia como um sacerdócio, uma missão de vida.
 
Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, ACM e AMC 
 
Publicado em O Estado do Maranhão em 29/04/2012
 
Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento