Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Espaço de celebração e valorização da cultura

A poesia existe porque a vida não basta, já disse nosso conterrâneo Ferreira Gullar. Há de se proporcionar condições para que ela cresça, floresça, irradie,... Digo isto a propósito de uma das experiências mais exitosas no cenário cultural de São Luís, que é o Café Literário do Odylo, concebido e executado pela minha amiga e confreira da Academia Maranhense de Letras (AML), Ceres Costa Fernandes.

O evento é realizado na última terça-feira do mês, nos períodos de março a junho e de agosto a novembro de cada ano na galeria Valdelino Cécio, que integra aquele espaço. Na semana passada, por ocasião da partida de José Chagas, Ceres publicou neste jornal um artigo sobre a presença deste grande poeta no Café em abril de 2011. Ao ler o artigo, fiquei imaginando a oportunidade ímpar que aquelas quase duzentas pessoas tiveram naquela noite de ouvir – talvez pela última vez – Chagas declamando suas poesias e de vê-lo se emocionar com os aplausos e o carinho com que foi recebido.

Coincidentemente, dois anos depois, tive a alegria de participar da edição do Café em abril deste ano, que destacou os terríveis anos de Chumbo, referência ao golpe militar de 64, e teve como um dos palestrantes o também meu confrade Benedito Buzar, presidente da AML, o qual dissertou sobre fatos pitorescos daquele período – como o cenário que antecedeu o golpe, cassações arbitrárias – incluindo a de seu próprio mandato de deputado estadual, e muitos outros ricos detalhes históricos.

Havia sido convidado a comparecer ao evento o jornalista Carlos Olavo da Cunha Pereira, também ativista político, para proferir a palestra “50 anos depois...”, mas infelizmente ele não se fez presente. Carlos Olavo da Cunha Pereira é autor do livro “Na Saga dos Anos 60”, no qual ele descreve sua corajosa batalha por não se calar diante de três grandes ditaduras que assolaram a América Latina. Recomendo o livro, pois é de leitura fácil e tem o mérito de mostrar o alto preço pago por alguém que não se curvou diante de regimes autoritários. Na mesma edição do Café da qual participei, marcou presença ainda o deputado estadual Tatá Milhomem – que conviveu de perto com o jornalista Carlos Olavo –, fazendo intervenções relacionadas aos detalhes singulares desse personagem. 

O Café Literário do Odylo, para além do dom de reunir, num mesmo ambiente, poetas, artistas, pesquisadores, estudantes ou até mesmo os que amam e apreciam a boa literatura, tem ainda outra importância: a de fazer história. Diversos serão aqueles que, no futuro, ao se depararem com notícias do Maranhão acerca de poetas e escritores, fatalmente haverão de se deparar com relatos das edições do Café que já serviram de cenário para discussões pertinentes ao preconceito racial na literatura (através da obra “O mulato”, de Aluísio de Azevedo), à riqueza do teatro maranhense (com a presença de ninguém menos que Aldo Leite) e às características das obras de padre Vieira, Cruz e Souza, Nauro Machado, Sousândrade, João do Vale... Faltar-me-ia espaço para divagar ainda a respeito dos debates relativos à poesia, ao teatro, à música, à pintura, entre outros.

A idealizadora me informou que, em 2010, as reuniões ocorriam na sala Nauro Machado, com a presença de um público composto de 40 a 50 pessoas. Já em 2011, o espaço tornou-se acanhado, pois cerca de 60 a 70 pessoas passaram a ser atraídas pela riqueza dos temas debatidos: havia que mudar o lugar, o que foi feito para a Galeria Valdelino Cécio. E o número de participantes continuou a crescer: 100, 150 pessoas... até que chegou a 300 participantes, quando o Professor Hildeberto Fernandes discorreu sobre “Nauro Machado – O Poeta do Ser e da Linguagem”.

Em 2013, mais uma inovação: as palestras do Café passaram a ser transmitidas ao vivo em videoconferências para diversas escolas de Ensino Médio do interior do Maranhão por meio de pontos de recepção do Centro de Capacitação Tecnológica do Maranhão (CETECMA), através da Universidade Virtual do Maranhão (UNIVIMA), graças à parceria com a Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia.  Além disso, em julho desse mesmo ano, foi realizada a I Mostra Estadual de Literatura no Centro de Criatividade de Odylo Costa, filho, com a presença de escritores de vários municípios do Maranhão, com uma vasta programação que incluiu lançamentos de livros, realização de palestras e intervenções poéticas, numa prova de que o Café Literário está se expandindo e alcançando novos públicos.

Non in solo pane vivit homo (nem só de pão vive o homem), já vaticinou a sagrada escritura. Por propagar a cultura, por valorizar as expressões artísticas e por atrair novos devotos dos sublimes ofícios da alma, o Café Literário é hoje um dos mais importantes projetos culturais do nosso Estado. Aproveito para indicar a edição de maio, que ocorrerá nesta terça, dia 27, e que vai homenagear o renomado escritor Érico Veríssimo, tendo como palestrante o professor Joaquim Gomes, mestre em Literatura pela UNESP. Este é, sem dúvida, um programa imperdível! 

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 26/05/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento