Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Chagas de ausência

Muito cedo plantei o arroz real /e o arroz do sonho era o que mais crescia; /Também ao capinar o milharal /mais me ocupava em minha fantasia /pois da lavra não vinha por igual /o que eu da terra e da ilusão colhia [...].

(José Chagas – livro Colégio do Vento).


A poesia está de luto: partiu José Chagas, o mais maranhense dos paraibanos. São Luís impregnou sua vida, sua memória, seus versos, por meio dos quais decantou os mirantes, as igrejas, o povo e a história dessa cidade. Autor de Os Telhados, Os Canhões do Silêncio, O Discurso da Ponte, Maré Memória e de tantas outras obras, Chagas louvou a cidade do alto de seu sobrado. Seu olhar arguto se estendeu até Alcântara, lugar que entendia ser fundamental para o sentimento de pertencimento de qualquer maranhense.

Desde pequeno, entre a lida dura na roça e o primeiro contato com a literatura no sertão paraibano, o Maranhão já lhe parecia uma sina: era leitor voraz de Aluísio e Artur Azevedo, Coelho Neto, Viriato Corrêa, Humberto de Campos. “Costumo dizer que eu, ao chegar aqui, já trazia um pouco do Maranhão em mim”, declarou em entrevista publicada originalmente no suplemento Vagalume.

Homem que não foi menino, como ele mesmo costumava dizer, brincou desde sempre com as palavras e se divertia ao vê-las apagadas pelo vento na areia do riacho que ficava próximo de sua casa. Reescrevê-las era uma missão inglória, mas de profundo aprendizado, assim como foi para Dom Quixote e seus imaginários moinhos. Modesto, nunca se autoproclamou poeta. “Sinto-me apenas um fazedor de versos”, resumia. “Sou pelo menos um bom mau poeta”, declaração dada a Jorge Nascimento também no suplemento Vagalume. Mais tarde, em entrevista ao jornalista Manoel Santos Neto, afirmou: “Saí de lavrador para palavrador”.

Chagas foi vereador por São Luís (chegou a exercer apenas um mandato), músico, jornalista (com diversas atuações em jornais no Maranhão), titular da cadeira número 28 da Academia Maranhense de Letras, funcionário público, e trabalhou no IBGE e na Universidade Federal do Maranhão. Impossibilitado de comparecer ao seu velório por motivo de viagem, soube que diversos servidores da instituição foram até o local prestar-lhe as últimas homenagens. O poeta que elegeu a cidade de São Luís como alvo de tanto carinho e dedicação também foi por ela reconhecido. Em 1998, a Favela do Samba o escolheu como tema e, em 2011, foi o patrono da Feira do Livro. Recentemente, o cantor Zeca Baleiro e o poeta Celso Borges resolveram musicar seus poemas no disco intitulado “A Palavra Acesa de José Chagas", nas vozes de diversos artistas.

Mais de vinte livros publicados, Chagas nunca deixou de escrever. Em sua casa, os poemas inéditos, como certa vez confessou, estavam amoitados sobre mesas, gavetas, como se tudo isso fosse um lugar cheio de gatos preguiçosos e vigilantes. Generoso, dava-os aos amigos e até dizia que, se quisessem, poderiam colocar o próprio nome neles, como se fossem pedacinhos de vida que um espalha para os outros. As retinas fatigadas – como disse Drummond em seu célebre poema “Uma pedra no meio do caminho” – nestes últimos anos já não o ajudavam e brigavam com uma letra corroída de anos, que teimava se tornar quase um hieróglifo, desafiando o seu próprio criador. A poesia, no entanto, da qual ele foi servo, minava por entre os dedos calejados; ele insistia, como se fosse escriba mítico, a escrever cada letra e palavra, dando a elas vida com a caligrafia.

Os anos, no entanto, mais recentemente, trouxeram consigo a carga do tempo. Em entrevista, entre bem humorado e perplexo, relatava as dificuldades entre um corpo que pagava seu justo quinhão à idade e seu espírito que queria ver o mundo, as pessoas e a vida, e dela extrair sua poesia. Chagas vivenciou na carne o que São Paulo, o apóstolo, disse certa vez em sua carta aos Coríntios: “Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia”. O espírito inquieto, a mente arguta e uma vontade ainda de fazer muito sintetizam o jeito Chagas de ser.

“A poesia é o pensamento do mundo. A poesia é o sentimento do mundo”, disse o poeta em entrevista ao jornalista Manoel Santos Neto. Mesmo sem querer se assumir nessa condição, José Chagas foi e será um dos maiores poetas que já conhecemos. Se José Chagas almejava “a manhã da última promessa /manhã de um novo mundo que começa /mais acessível, mais humano e bom”, nós, admiradores de seu talento, almejamos que seus escritos continuem a ecoar nas ruas, praças, casas e corações dos moradores desta terra.

“Vou ao céu a pé /em lenta romaria”, vaticinou o poeta. Que sua caminhada seja agradável, nobre confrade, e sua chegada ao destino final mais ainda.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 18/05/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento