Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Páscoa, libelo em favor da liberdade

Vivemos um tempo em que direitos individuais, liberdade e, num contexto mais amplo, democracia e estado de direito são bens reclamados e desejados em quase todo lugar. No mundo ocidental, praticamente em todos os países, as populações têm acesso a estes bens tão caros, obtidos por meio de muitas lutas, marchas e contramarchas históricas e também mediante o preço da vigilância permanente.

A Páscoa, a despeito de ser uma comemoração de caráter eminentemente religioso, carrega consigo esses valores e o seu significado avança bem mais para lá desse campo, pois em seus primórdios, em seu sentido mais verdadeiro, está a liberdade.

A história começa há mais de 3.200 anos. No Egito, um povo sofria por 430 anos uma situação de escravidão que se agravava ano a ano. A Bíblia relata que Deus ouviu o clamor dos oprimidos e, para aquela região, providenciou um libertador, Moisés. Nenhum poder opressor cederá o seu “direito” de domínio. Em razão disso, Deus enviou dez pragas e, por meio de milagres, libertou os cativos com a mão forte e poderosa. Deu-lhes uma promessa. Eles teriam sua própria terra. Lugar de fartura e abundância. Terra fértil e próspera. Eles seriam povo, não um amontoado de explorados. Esse povo teria nas mãos o poder de se guiar, de se autodeterminar e tudo lhe iria bem. Para tanto, deveria apenas servir a seu Libertador, não a um tirano, mas a um mestre de paz e amor.

Na noite que antecedeu a partida, eles receberam a instrução para que cada família matasse e comesse um cordeiro. Era uma comemoração, uma espécie de preparação para a viagem de suas vidas. Naquela mesma noite, o Anjo da morte, sob a ordem divina, realizou sua última missão contra a nação opressora. Tanto na casa mais humilde quanto no palácio imperial houve choro e tristeza, contudo nas moradias dos hebreus havia a alegre expectativa de um novo começo.

A liberdade cumpriu seu papel: a Páscoa é um libelo em seu favor em qualquer lugar do planeta onde haja este ato covarde e infame, que deve ser banido de todas as formas nas quais ele se apresenta. Seja nas infrações de um mau patrão que sonega direitos aos trabalhadores, reduzindo seu semelhante à condição análoga à escravidão, seja quando se é indiferente à injustiça, que pode ocorrer em macrorrelações, as quais envolvem comunidades inteiras, ou em microrrelações cotidianas, com suas sutilezas que perpetuam modos de preconceito e legitimam inferioridades baseadas em condições sociais e econômicas.

A Campanha da Fraternidade deste ano, oportunamente, enfoca o seguinte: foi para a liberdade que Cristo nos chamou. A liberdade de uma vida plena, produtiva, rica e abençoadora como prelúdio de outra vida para sempre na companhia de Deus. Semelhante a esse pensamento, vaticina Adélia Prado: “as coisas tristíssimas, vão desaparecer quando soar a trombeta. Levantaremos como deuses, com a beleza das coisas que nunca pecaram, como árvores, como pedras, exatos e dignos de amor”.

O cordeiro da páscoa judaica simbolizava Jesus Cristo, o libertador de todo o mal. Ele, bem reconhece São João Batista, é o verdadeiro Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Jesus é, portanto, a escolha do Criador pela humanidade. Ele é um presente do nosso Pai. Sua morte, cruel e dolorosa, simboliza todo o sofrimento humano, desde as doenças, como nos lembra o profeta Isaías, até o pecado que é um mal interno devorador e que também nos desencaminha para longe de Deus.

A Páscoa (do hebraico Pessach, que literalmente significa passagem) ganhou ainda, com a presença de Jesus, uma nova palavra símbolo: ressurreição, que é uma forma diferenciada de liberdade. Festejamos não o sofrimento, mas o seu resultado na vida. Assim, desfrutamos da promessa divina de que, se crermos no Senhor, ainda que morramos, reviveremos. Não somente num futuro distante, mas em cada dia, em meio às lutas, aos desafios e às frustrações.

 

O apóstolo São Paulo diz que foi para a liberdade que Cristo nos resgatou, e é nessa condição de livres que superamos os medos que a violência moderna agrega, as angústias que nos cercam e, além disso, temos a certeza da alegria de que nossas dores, em Cristo, nosso libertador, são curadas. Esta crença provê força e ânimo para suportar os problemas quando não for possível mudá-los ou resolvê-los. Nesse sentido, diz o poeta amazonense Thiago de Mello: “(...) quando o caminho resistir, escapar da novidade de vida, com a fé, nós aprendemos um modo novo de caminhar”.

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento