Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Palavra do Reitor

Anchieta, história de fé e amor pela educação

"Há homens que são como as velas; sacrificam-se, queimando-se para dar luz aos outros". Quando o padre Antônio Vieira escreveu essa frase, quase cem anos depois da morte de José de Anchieta, acreditava-se que ele não estava pensando nesse grande pioneiro do Brasil, mas, se tem alguém na história brasileira que encarna esse aforismo, esse alguém, sem dúvida, é Anchieta.

Na semana passada, dia 04, o Papa Francisco – o primeiro jesuíta tornado chefe supremo da Igreja – canonizou o também jesuíta José de Anchieta quase 400 anos depois da solicitação de sua beatificação em 1617, na capitania da Bahia. Padre Anchieta morreu em 1597 e, pouco tempo depois, como disse uma das testemunhas arroladas no processo beatífico, “todos o tinham por santo publicamente!”. Quando essa pessoa fez tal afirmação, quis dizer que em vida já se viam as marcas do santo homem.

Levitações, as curas de crianças e adultos – entre outros feitos extraordinários – justificariam sua canonização. Mas, passados tantos séculos, não havia como realizar o processo normal de investigação das graças concedidas. Assim, a Igreja o canonizou pelo seu apostolado como missionário do Brasil, diferente de nossos dois outros santos, Madre Paulina e, o mais recente, Frei Galvão. Trata-se de um ineditismo que pode mudar substancialmente as razões por que alguém pode alcançar tamanha graça.

Anchieta nasceu na ilha de Tenerife em 1534 (arquipélago das Canárias), que pertence à Espanha. Aos 14 anos, foi enviado a Portugal para estudar na secular universidade de Coimbra. A escolha se deu por causa de sua ascendência judaica. Seus avós maternos eram judeus novos convertidos ao catolicismo. Ainda assim, em pleno período da Inquisição – a Espanha foi o maior palco das ações do Santo Ofício –, não havia garantias ou a possibilidade de que um jovem com sua história familiar pudesse galgar qualquer posto seja na área religiosa, política ou militar.

Em 1551, ingressou como irmão na Companhia de Jesus, fundada por Inácio de Loyola, com o qual possuía grau de parentesco. Aos 19 anos, foi enviado para o Brasil a pedido do jesuíta Manoel da Nóbrega, Provincial dos Jesuítas no país. Para evangelizar os índios e ajudar nas demais obras da Companhia, solicitou Nóbrega que lhe mandassem “mesmo os fracos de engenho e os doentes do corpo”.

A amizade entre Nóbrega e Anchieta perdurou ao longo de seu ministério no Brasil, país no qual deixara uma marca indelével por seu incansável labor em muitas áreas, sobretudo na missionária. Padre Anchieta participa do marco importante da fundação da cidade de São Paulo, a criação do Colégio São Paulo. Sua extraordinária aptidão para as letras fará com que seu grande trabalho, que inclui a luta em favor da catequese e proteção aos índios, se desenvolva na área literária com a publicação dos primeiros livros – impressos em Coimbra – escritos no Brasil. 

O apóstolo do Brasil, como também é conhecido, foi gramático, pois  escreveu o livro “Arte da grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil” (1595). A obra versava sobre o tupi, a língua geral que, à época, era mais falada do que o português. Era poeta. Sua obra em latim (1563), outra língua que dominava, descreve um poema épico, antes de “Os Lusíadas”, sobre as ações de Mem de Sá – Governador Geral da Capitania de São Sebastião do Rio de Janeiro – contra os invasores franceses (França Antártica). É dele o registro em carta na qual relata a fundação da cidade do Rio. Também foi teatrólogo e historiador. Devem-se a ele vários registros fundantes da história brasileira.  

O Brasil Colônia ganha uma alma com Anchieta. A sua preocupação não era só com a ação constante na evangelização, mas também, especialmente, com a própria estratégia dos jesuítas, dedicados à construção de escolas, uma necessidade que permanece até hoje. Em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Vitória, seu trabalho sempre esteve ligado à educação. Esta questão é tão bem expressada por Antônio Vieira, quando diz que: “A boa educação é moeda de ouro. Em toda a parte tem valor”. 

Anchieta, com sua obra pioneira na educação brasileira, acreditava nisso. A boa educação tem valor não só em toda parte, mas em todo o tempo. Em 1597, ele falece aos 63 anos em Reritiba, cidade que hoje leva o seu nome, cuja localização fica no sul do Estado do Espírito Santo. Toda a sua vida foi devotada ao Brasil. Tornou-se brasileiro quando a nação sequer existia, e sua brasilidade ainda hoje pode inspirar.

Doutor em Nefrologia, reitor da UFMA, membro do IHGM, da AMM, AMC e AML.

Publicado em O Estado do Maranhão em 07/04/2014

Mais opções
Copiar url

Porque a vida não espera

Revolução educacional

Quando tudo isso vai terminar?

Quando as pestes nos assaltam

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Sálvio Dino

Por uma nova versão da história

E se deixasse de haver ciência?

Entre linhas de luz

Homenagem do reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Milson Coutinho

Homenagem do Reitor Natalino Salgado ao acadêmico da AML Waldemiro Viana

Tempos pandêmicos para secretas lições

Moby Dick, para uma macroscopia do coronavírus

Saúde e educação nas entranhas da cidade

Medicina e Literatura: mais que a vida

Os vírus, as pandemias e as alterações históricas

Ciência a serviço da vida

O vírus, o próprio homem, o racismo e outros inimigos

O sacrifício da verdade

Efeitos colaterais

Lá fora, sem sair de casa

O cenário das pragas na vida e na literatura

E as lanternas continuam acesas

Para sempre afetuosos

Será admirável o mundo novo?

O gigante aliado no combate ao mal

A (nova) escolha de Sofia

Qual fim está próximo?

Dia Internacional da Mulher

Doença renal: a prevenção começa na infância (II)

Celeiro de excelência

O (velho) novo problema da corrupção

Tempos difíceis

Obreiro do Conhecimento

Uma palavra de gratidão

Salve Mário Meireles!

Luzes para Domingos Vieira Filho

Novos cenários para a inovação tecnológica

A benção, meu pai

Dunas e saudade

A (anunciada) tragédia grega

Uma homenagem a Bacelar Portela

Um poeta, um estadista e um sacerdote

Reivindicação atendida

Dom Delgado, um homem visionário (IV)

Dom Delgado, um homem visionário (III)

Dom Delgado, um homem visionário (II)

Dom Delgado, um homem visionário (I)

Uma reparação histórica

Páscoa: vida nova a serviço do próximo

A Baixada Maranhense e a sua vocação para a grandeza

Um clamor pelos novos mártires

O legado de Darwin

Excelência no esporte

O essencial é que importa

Contra a intolerância

Menos corrupção em 2015

Contra a intolerância

O brilho de Carlos e Zelinda

A UFMA e o empreendedorismo

Inesquecível Mohana

TJ-MA e a justiça

Valorização da ciência

Novos caminhos para a educação

Ensino para além do tempo e da distância

Arqueologia, mais uma área de conquista da UFMA

O papel protagonista da Associação Comercial do Maranhão

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (III)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive (II)

Festival Guarnicê de Cinema: a magia sobrevive

A lição da Copa

A justiça mais próxima do cidadão

No caminho certo

Ubiratan Teixeira: múltiplos em um só

O legado de fé dos santos juninos

Sisu: democratização no acesso ao Ensino Superior

Espaço de celebração e valorização da cultura

Chagas de ausência

Mais um avanço da UFMA

Considerações sobre pecado e redenção

Páscoa, libelo em favor da liberdade

O dia em que a baixada parou

Anchieta, história de fé e amor pela educação

Um código de conduta para a rede

Um reconhecimento merecido

Vértice de oportunidades

O chamado da liberdade

A solução passa pela família

Extensão universitária: de braços abertos para a comunidade

Cuidar dos rins é viver melhor

Em defesa dos nobres valores

Contra a exclusão, a formação

Os (des) caminhos da violência

Pinheiro e Imperatriz, novo celeiro de médicos

Uma revolução em curso

Um ano de novas conquistas

A luz que vem da fé (considerações acerca da Epístola do Papa Francisco)

Conhecimento que desconhece fronteiras

Pelo diálogo e pela sensatez

Novos passos rumo à melhoria do ensino

Confissões antigas sobre o Maranhão

Oportunidades e melhorias no cenário da saúde

A ética como aliada da ciência

Merecidas palmas

A UFMA e o ENEM (parte II)

A UFMA E O ENEM (parte I)

(A)Deus, minha mãe

Voto e democracia, simbiose perfeita

Um desafio para o sistema educacional

Sobre despedidas e inícios

Pausa para equilíbrio e reflexão

Um presente à altura de São Luís

Educação que liberta e transforma

À espera de reforços

Democratizando o acesso

A benção de ser pai

Santa madre Igreja

Bem-vindo, Francisco

Quando prevenir, de fato, é melhor que remediar

E a violência?

Sinal de alerta

Sobre a paz e Santo Antonio

Interiorização: caminho para a emancipação

Quando o meio é a própria mensagem

Mais que um homem: uma lenda (parte II)

Mais que um homem: uma lenda

De poesia e de arte também se vive

Uma reivindicação justa e necessária

Vitória, fruto da perseverança

Inimigo oculto

A ordem natural das coisas

Alfabetização, primeiro passo para o desenvolvimento

Exemplo de abnegação e altruísmo

Um ato de reparação

O legado de Bento XVI

E Deus criou a mulher...

Excelência no Continente

O Admirável mundo da química

UFMA: um ano de grandes realizações

Tão perto, tão distante

Natal, tempo de paz e boa vontade

Reconhecimento à Bancada

Reflexões acerca do ano da fé

Medicina: um dom e uma missão

Ensino a distância revoluciona a educação no mundo

Turismo e Hotelaria no contexto das cidades criativas

São Luís: as homenagens continuam

A realização de um sonho

Energia limpa: caminho para o desenvolvimento

Investir em esporte para gerar campeões

SBPC 2012: cenário de múltiplas possibilidades

O federalismo sob ótica global

Histórias coincidentes de lutas e conquistas

Cultura Universitária x Cidade Universitária

Agradecer também é reconhecer

Diversidade local como solução global

Corpus Christi: tempo de recordar para valorizar

Valorizar o passado para compreender o presente

Compartilhar saberes, legar conhecimento

A SBPC e os saberes tradicionais

A educação que movimenta o desenvolvimento