Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Jornalismo e memória nas redes sociais é tema de pesquisa de aluno do PPGCOM

Publicado em: 09/09/2020

Publicado originalmente em 04/09/20, no site Ciência UFMA.

IMPERATRIZ - A memória é uma atividade intrínseca à vida humana. Esse elemento configura-se por individual e coletivo, que, por meio de técnicas, arquivos e espaços, tanto físicos como digitais, ativam e resgatam vivências e informações históricas. As reconfigurações das mídias, ocasionadas pela expansão do acesso à internet, são substanciais para essa reconstrução. Além disso, o jornalismo é fator fundamental nesse processo, atuando como lugar de resgate de memória para a comunidade, registrando o tempo presente e se tornando referência para diversos acontecimentos do passado.

É nesse caminho que Antônio Carlos, aluno da primeira turma de mestrado em Comunicação da Universidade Federal do Maranhão – Imperatriz, envereda sua dissertação. A pesquisa tem por objetivo principal investigar as rotinas produtivas nos canais do Youtube, Arquivos de Vídeos e Arquivo Markezini, no processo de compartilhamento dos conteúdos jornalísticos antigos que foram transmitidos pela televisão e recuperados pelos usuários no YouTube.

O estudo atrela o resgate da memória por meio das redes sociais, em particular, o YouTube, que, de acordo com o Alexa Ranking, hoje é considerado o segundo site mais utilizado no Brasil e no mundo.  Além de pontuar a importância da memória para a sociedade e para vida coletiva, o discente evidencia a dimensão da internet e das mídias digitais no contexto atual, que, de acordo com o pesquisador, torna-se grande repositório cultural contemporâneo.

No estudo, Antônio analisa dois canais no Youtube que compartilham gravações antigas da televisão brasileira, como conteúdos jornalísticos, propagandas televisivas e programas de entretenimento, que, na maioria das vezes, não estão disponíveis em outra plataforma. “A pessoa pode chegar até esses canais motivada pelo sentimento de nostalgia, de forma aleatória, ou ainda movida pela necessidade de contextualizar o presente evocando o passado com base no que está disponibilizado no YouTube. Isso por si só já me chama bastante atenção”, reflete o estudante.

Antes de ingressar na pós-graduação, Antônio já desenvolvia pesquisas voltadas para o estudo da memória no Grupo de Pesquisa Jornalismo, Mídia e Memória – JOIMP, da UFMA – Imperatriz, do qual faz parte desde 2016. Porém o interesse pelo tema correlacionado a questões contemporâneas surgiu durante a preparação para a seleção de mestrado, ao perceber a potencialidade das plataformas digitais para a ativação do sentimento de nostalgia. Além disso, o pesquisador percebe que, em se tratando do Youtube especificamente, pode haver implicações que interferem no compartilhamento do material.

A rede social é voltada mais para a produção autoral de conteúdo, com os chamados youtubers. Os dois canais em análise atuam somente com o compartilhamento de conteúdo que era produzido por emissoras de televisão em tempos passados. Essa realidade acarretar que os canais não se sustentem na plataforma e correm o risco de serem tirados do ar, pois, na maioria das vezes, são compreendidos como violadores de direitos autorias. É com base nisso que o pesquisador vê a necessidade de investigar as práticas do resgate de memória por meio das mídias digitais, que, por vezes, encontram limitações que interferem no seu exercício.

Como Antônio faz parte da primeira turma do mestrado, a pesquisa já se encaminha para a parte da qualificação. Com as disciplinas finalizadas, o trabalho já se encontra na reta final de execução. Para o exame de qualificação, o discente pretende levar a parte teórica e os procedimentos metodológicos produzidos e estruturados.

Logo após esse processo, o aluno conta que vai focar na parte empírica da investigação, que, para dar conta dos objetivos traçados, vai utilizar como técnicas de pesquisa a análise de conteúdo e entrevistas com os responsáveis pelos dois canais propostos.

Trajetória acadêmica

Antônio é graduado em Comunicação Social – Jornalismo pela UFMA, câmpus Imperatriz, desde 2013. Possui especialização em Comunicação Empresarial pela Universidade Metodista de São Paulo e em Gestão Pública pela Universidade Federal do Tocantins. É também integrante do Grupo de Pesquisa – JOIMP, no qual se destina a pesquisar questões voltadas para o estudo da história do jornalismo, rotinas de produção, jornalismo e convergência e jornalismo e poder.

O discente relata que pretende seguir carreira acadêmica, encaminhando-se à seleção de doutorado. Porém ele informa que, possivelmente, fará uma pausa entre o mestrado e doutorado. De todo modo, o aluno reflete que “hoje tudo muda e se transforma numa velocidade incrível, e eu sinto a necessidade de compreender como esse novo mundo vai se descortinando.  Sempre cito, como exemplo, o intervalo entre minha graduação e o mestrado. É impressionante como nossas práticas comunicacionais se alteraram tão repentinamente, em menos de dez anos. Então acredito que seguir a carreira acadêmica, seja por meio da docência ou da pesquisa, vai me proporcionar e me motivar a continuar refletindo sobre minha área de formação”. Declara.

Durante o curso de mestrado, além de cumprir com as atividades obrigatórias do programa, Antônio participou de eventos científicos, teve publicações de sua pesquisa em anais de eventos e periódicos acadêmicos da área, e foi ministrante de minicurso. Atualmente, está auxiliando sua orientadora, a professora doutora Roseane Arcanjo, na organização do e-book Jornalismo e COVID-19. O e-book é resultado de uma atividade realizada no minicurso Entrevista Jornalística e a COVID-19, promovido pelo Simpósio de Comunicação da Região Tocantina – SIMCOM. O livro vai apresentar entrevistas com dez jornalistas que trabalham em veículos de imprensa e assessorias de comunicação da cidade de Imperatriz, Maranhão. Os entrevistados falam sobre as mudanças e os desafios que enfrentaram para realizar suas atividades durante a pandemia.

O aluno comenta que, para a reta final da pós-graduação, pretende continuar participando das atividades extracurriculares, assim como anseia por divulgar sua pesquisa pelas revistas acadêmicas. Faltando pouco para o encerramento desse ciclo, o discente confidencia que deseja sair do exame de qualificação com seu trabalho bem-encaminhado e que espera contribuir com os estudos da área da Comunicação.

Para continuar acompanhando essa e outras pesquisas do discente, acesse seu perfil no lattes: http://lattes.cnpq.br/9745803600292535.


Quer ver uma iniciativa bacana do seu curso divulgada na página oficial da UFMA? Envie informações à Ascom por WhatsApp (98) 98408-8434.
Siga a UFMA nas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, YouTube e RadioTube

Revisão: Jáder Cavalcante

Lugar: Câmpus Imperatriz
Fonte: Sarah Dantas/Ciência UFMA
Última alteração em: 09/09/2020 19:56

Mais opções
Copiar url

Outras Notícias

20/10/2020

10:15

UFMA 54 anos: a Universidade na vanguarda do conhecimento científico no Maranhão SÃO LUÍS – Mais de cinco décadas de formação – estrutural e acadêmica – e de dedicação na missão de...

19/10/2020

18:10

Maranhão Júnior representa UFMA no Encontro Nacional de Empresários Juniores SÃO LUÍS – A Universidade Federal do Maranhão foi representada na 27ª edição do Encontro Nacional de Empresários Juniores (Enej)...

19/10/2020

18:00

Segunda do Português: "Juros" e "Em oito" 1. Juros Outro dia, durante o horário eleitoral, um candidato a prefeito cometeu uma infração ao bom português, com a seguinte...

19/10/2020

16:57

Programação Virtual do Festival Guarnicê tem diversas opções Publicado originalmente em 17/10/20, no Imirante.com. SÃO LUÍS - Corram, que ainda dá para assistir a todos os filmes de curta...

19/10/2020

16:48

No Rádio Ciência, diretor de centro de inovação faz ponderações sobre a educação maranhense no Ideb SÃO LUÍS - No dia 15 de setembro, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou...
Fim do conteúdo da sessão