Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Segunda do Português: "Haver" e "Pretérito perfeito"

Publicado em: 06/01/2020

1. Haver

Entre os verbos que suscitam dúvida na hora de conjugar, certamente, “haver” é um deles. Veja um caso em que se utilizou erradamente esse verbo:

         Estão havendo muitos acidentes naquela estrada nesta época do ano.

Haver, no sentido de existir, ocorrer, acontecer, é invariável, ou seja, fica sempre no singular. Se haver estiver acompanhado de auxiliar, este também ficará no singular. Compare estes exemplos:

         Houveram muitos acidentes. (errado)

         Houve muitos acidentes. (correto)

         Havia muitas pessoas. (correto)

         Deve haver muitos casos iguais. (correto)

         Vão haver dias melhores. (errado)

         Vai haver dias melhores. (correto)

         Dias melhores haverá. (correto)

Corrigindo a frase-exemplo:

         Está havendo muitos acidentes naquela estrada nesta época do ano.

Agora, se “haver” for utilizado como verbo auxiliar, poderá flexionar, de acordo com as características do verbo principal. Observe:

         Haviam chegado novos computadores.

         Hão de existir soluções para este problema.

         Há de haver soluções para este problema.

Nos exemplos acima, na segunda frase, temos o verbo principal “existir”, que pode sofrer flexão, portanto seu auxiliar também pode flexionar, o que não acontece na terceira frase, em que o verbo auxiliar “haver” não pode flexionar, porque está submetido às características do verbo principal, que, coincidentemente, também é “haver”. E, como o “haver” principal tem o sentido de “existir”, não aceita flexão.

 

2. Pretérito perfeito

A língua popular nos apresenta situações interessantes, em que o uso despreocupado contínuo vai se sobrepondo à obviedade estrutural. Observe o exemplo abaixo, muito comum no cotidiano do brasileiro:

         Não passe lá em casa antes das nove, porque nesse horário eu ainda não cheguei.

Nessa situação, fala-se de um momento futuro. Se “às nove horas” é tempo futuro, como podemos usar o verbo no passado (cheguei)? O tempo correto para este tipo de situação é o Futuro do Presente Composto do Indicativo.

         Não passe lá em casa antes das nove, porque nesse horário eu ainda não terei chegado.

Observe este outro exemplo:

         — Quando será que os cientistas vão descobrir a cura para o diabetes?

         — Ah, eu acredito que daqui a uns quinze anos no máximo.

         — Mas até lá eu já morri. (errado, o certo é terei morrido)


Quer ver uma iniciativa bacana do seu curso divulgada na página oficial da UFMA? Envie informações à Ascom por WhatsApp (98) 98408-8434.
Siga a UFMA nas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, YouTube e RadioTube

Revisão: Jáder Cavalcante

Texto: JADER CAVALCANTE DE ARAUJO
Última alteração em: 06/01/2020 12:11

Mais opções
Copiar url

Outras Notícias

25/11/2020

20:32

Alunos de Ciência da Computação e BICT representarão a UFMA em evento nacional de programação   SÃO LUÍS - A equipe “UFMA Time 1”, composta pelos estudantes Davyson Almeida, Pedro Bernhard e Manu Lemos dos cursos...

25/11/2020

19:02

UFMA realiza 26º Simpósio Brasileiro de Sistemas Multimídia e Web   SÃO LUÍS – Entre os dias 30 deste mês e 4 de dezembro, será realizado o 26º Simpósio Brasileiro de...

25/11/2020

17:58

Superintendência de Infraestrutura busca parcerias em Imperatriz   SÃO LUÍS - No dia 12 deste mês, ocorreu uma reunião na Associação Comercial e Industrial de Imperatriz (ACII) entre...

25/11/2020

12:24

Pós-Graduação em Química promove webinário em cooperação internacional com Madrid   SÃO LUÍS - A Agência de Inovação, Empreendedorismo, Pesquisa, Pós-Graduação e Internacionalização (AGEUFMA) informa que o Grupo de Pesquisa em...

25/11/2020

11:06

Proquali concede o Prêmio Mérito Científico para sete pesquisadores da UFMA   SÃO LUÍS - O Programa de Qualidade da Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proquali) da UFMA divulgou, nesta semana, a lista...
Fim do conteúdo da sessão