Início do conteúdo da página
Início do conteúdo da página

Universidade pública perde R$ 200 milhões

Publicado em: 21/09/2003

De O Estado de Minas

Tacyana Arce

Um corte de R$ 200 milhões no orçamento da Secretaria de Ensino Superior do Ministério da Educação (Sesu/MEC) para 2004 é o mais novo elemento da crise que assola as universidades públicas brasileiras. A verba seria usada em programas de modernização de bibliotecas, informatização, construção de laboratórios, recuperação de equipamentos e na compra de aparelhagem para hospitais universitários, na tentativa de melhorar a qualidade dos cursos de graduação.

O Ministério do Planejamento não se comoveu com as explicações de que, sem investimentos desde 1998, a graduação brasileira começa a dar sinais de sucateamento e a caminhar em direção ao colapso que se abateu sobre o ensino básico público. A informação é do diretor do Departamento de Projetos Especiais da Sesu, Waldemiro Gremski, que participou ontem, em Belo Horizonte, da reunião do Fórum de Pró-Reitores de Graduação das Universidades Brasileiras (ForGrad).

Os pró-reitores discutem a elaboração do Plano Nacional de Graduação que vai traçar as diretrizes e os programas prioritários para o nível de ensino, como os critérios para abertura de novos cursos, currículo e infra-estrutura mínimos, projeto político-pedagógico, perfil do profissional a ser formado, as condições de ensino e aprendizagem, interface com o ensino básico e relevância para a sociedade. "A inexistência do plano da graduação limita investimentos nesse nível de ensino, porque, se não definimos as prioridades, não temos força para lutar por financiamento. A pós-graduação tem sua agência reguladora, que define as prioridades. Sofre com a falta de recursos, mas não chega no zero. O ensino básico já faliu. A graduação está indo pelo mesmo caminho. Daqui a pouco teremos profissionais pós-graduados com uma formação medíocre", avalia o coordenador de Relações Acadêmicas da Sesu, Sérgio Paulo Moreira.

O presidente do ForGrad, Roberto Quental, acredita que a participação de representantes do MEC na discussão do Plano Nacional da Graduação, que acontece pela primeira vez desde que o fórum foi criado, em 1998, é sinal de que haverá investimento na consolidação da graduação. "Os pró-reitores querem trabalhar em parceria com o MEC. O anúncio do corte no nos deixa preocupados, mas mais motivados a formatar esse plano, para que a graduação tenha o reconhecimento devido", avalia.
Mais opções
Copiar url

Outras Notícias

25/11/2020

20:32

Alunos de Ciência da Computação e BICT representarão a UFMA em evento nacional de programação   SÃO LUÍS - A equipe “UFMA Time 1”, composta pelos estudantes Davyson Almeida, Pedro Bernhard e Manu Lemos dos cursos...

25/11/2020

19:02

UFMA realiza 26º Simpósio Brasileiro de Sistemas Multimídia e Web   SÃO LUÍS – Entre os dias 30 deste mês e 4 de dezembro, será realizado o 26º Simpósio Brasileiro de...

25/11/2020

17:58

Superintendência de Infraestrutura busca parcerias em Imperatriz   SÃO LUÍS - No dia 12 deste mês, ocorreu uma reunião na Associação Comercial e Industrial de Imperatriz (ACII) entre...

25/11/2020

12:24

Pós-Graduação em Química promove webinário em cooperação internacional com Madrid   SÃO LUÍS - A Agência de Inovação, Empreendedorismo, Pesquisa, Pós-Graduação e Internacionalização (AGEUFMA) informa que o Grupo de Pesquisa em...

25/11/2020

11:06

Proquali concede o Prêmio Mérito Científico para sete pesquisadores da UFMA   SÃO LUÍS - O Programa de Qualidade da Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proquali) da UFMA divulgou, nesta semana, a lista...
Fim do conteúdo da sessão